seminar

5ª RDIT — O traço e a saúde

5ª Conferência do 3º Ciclo de Conferências Abertas: Representações, Desenhos e Imagens do Território, 2022.

  • 30 May 2022
  • 6:30 PM
  • Auditório Pavilhão Sul da FBAUP

Vasco Cardoso apresenta
Júlio Machado Vaz

O que terão em comum nomes tão diversos como Vitruvius, Hipócrates, Vesálio, Florence Nightingale e Le Corbusier? Para mim, professor de Antropologia Médica, o facto de terem pensado a relação entre o binómio Saúde/Doença e os Espaços. Fossem eles naturais, desenhados, projectados e construídos ou apenas alucinados.

Na realidade, desde a evolução dos equipamentos hospitalares à compreensão da Psicologia Ambiental, a organização dos espaços vem ganhando cada vez maior importância nos aspectos especificamente clínicos e no desenvolvimento de políticas transversais de Educação para a Saúde, que em absoluto pressupõem o empoderamento dos cidadãos em geral.

Quem imaginaria que doentes internados em quartos debruçados sobre a Natureza tendem a necessitar de pós-operatórios mais curtos do que os instalados em divisões interiores? Que influência tem a parafernália tecnológica na arquitectura hospitalar? Que desafios nos coloca o envelhecimento das populações dos países mais desenvolvidos? As respostas implicam outro tipo de espaço – o psicológico, alimentado por Saberes distintos que dialogam em pé de igualdade.

_
Júlio Guilherme Ferreira Machado Vaz, 72 anos de idade, licenciado em Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Medicina do Porto. Especialista em Psiquiatria pela Ordem dos Médicos. Professor Auxiliar a título definitivo do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, onde regeu a disciplina de Antropologia Médica.