Rotas de memória : a árvore e a madeira : relações na prática escultórica

A Árvore e a Memória, a Memória pessoal muito particularmente liga da às Árvores, e a Árvore como elemento vivo que parece incorporar em si a própria vivência da Memória, são os elementos centrais deste projeto. Projeto que pretende encontrar na Arte, nos procedimentos artísticos, mais especialmente escultóricos, o recurso para reencontrar os caminos da infância para a Mata de Leiria e a aprendizagem en cantada do mundo das árvores na região da Marina Grande. Recurso para reencantar esse mundo, celebrandoo e reinventandoo, em tor no dum sentir a que não pareceu desadequado camar Silêncio. Mas como escultor agradecido foi também necessário olar a madeira e sentir, num outro sentir, toda a crueldade da Morte Anunciada a que as árvores parecem oje, num mundo onde imperam as leis económicas, condenadas.

Mas era necessário – não é essa a grande magia da Arte? – trazer os outros para esta vivência tão pessoal “enxertandoos” dalgum modo no projeto, fazendoos viver o projeto por dentro, fazendo com que eles próprios encetassem os seus próprios caminos através deste mundo, sentindo, num sentir próprio a cada um deles, segundo um ritmo pró prio a cada um deles, o reencantamento deste mundo a fazerse. Foi necessário escoler apenas algumas pessoas para viverem diretamente essa experiência, tentando no entanto tudo para vos permitir também entrar nela, estar nela, vivêla o mais plenamente possível. Para tanto, para além de trazer à vossa Presença os vários elementos escultóricos concebidos para possibilitar tal experiência, desenouse um Roteiro, este que tendes entre mãos, para o qual foi preciso encontrar palavras que soubessem não se sobrepor, antes se compor com essa Presença que queriam continuar e manifestar, que queriam reafirmar e não dei xar desvanecer. Importou ainda evocar e dar conta de percursos artísticos e de obras singulares de outros artistas contemporâneos inseparáveis destas temá ticas, cuja Arte poderosamente sugestiva permitiu e permite vivências intensamente emotivas, e que foram uma escola, uma aprendizagem indispensável para a conceção e realização deste projeto. Este recurso para o reencantamento desejado que a Arte se mostrou capaz de ser nunca teria sido encontrado sem eles, e sem eles para sempre a infân cia e as suas árvores estariam perdidas no esquecimento. Se agora á Memória, e foi possível desenar nela Rotas precisas, a eles em boa parte se deve.

Resta lembrar a ambição mais ousada deste projeto, que no entanto ele apenas permitiu que se esboçasse, e que por isso aqui se pode apenas entrever, pressentir como uma porta aberta para um camino que ape nas se começou a trilar: voltar a tratar por tu os seres dum mundo que se afastara e parecia perderse, voltar à sua intimidade, e deixar que a Arte necessária para tal vos mova numa mesma direção.

Ano 2014
Tipo Tese
Instituição Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto
Grau Doutoramento
Orientador(es) Carlos Barreira
Idioma Português
Área Escultura, Artes Plásticas
Link Ver Link