O Modernismo Tró-la-ró

Ensaio sobre a recuperação da figura do modernista autodidacta Paulo de Cantos.

Publicado no catálogo Livr-o-Mem, das Jornadas Cantianas, editado pelo espaço Oporto (2013).

Press release do evento:

Jornadas Cantianas (a 16 e 17 de Março), evento em torno da obra de Paulo de Cantos, figura enigmática da auto-edição, cuja obra é largamente desconhecida do público.

As Jornadas Cantianas apresentarão, pela primeira vez, a obra (possível) do autor (livros, maquetas e objectos) ao público, convocando igualmente autores do design, tipografia e crítica cultural para um ciclo de conferências em torno de temáticas tangenciais à obra do autor.

As Jornadas abrem um ciclo dedicado a figuras pouco estudadas e amplamente desconhecidas do universo cultural Lusófono. Expansível a diversas áreas de conhecimento artístico, inicia-se com as artes da edição e da publicação.

Esta primeira Jornada intitula-se Cantiana (de canto e cantão, de cotovelo e cunhal) de Paulo José de Cantos (1892-1979), um ilustre desconhecido dos meandros bibliófilos, um prolífico pedagogo Povoense impelido pela publicação, banzado por tipografia, por acrósticos destravados e pelo universalismo da língua e da lusofonia. Paulo Cantos foi um auto-editor de invulgares, idiossincráticos, inclassificáveis e imprudentes livros que povoam (cada vez menos) as prateleiras de várias lojas de alfarrabistas.

As Jornadas vão decorrer ao longo de dois dias em que vários convidados apresentam, abertamente, analogias e possíveis referências empáticas às suas
edições. Em torno dos livros dissecados iremos falar das principais quimeras presentes na lista de obras do autor.
Os livros do autor, em exposição, serão acompanhados de outras publicações relativas às apresentações dos oradores convidados. Como pequenas extensões biográficas poder-se-á ver material epistolar, desenhos, dedicatórias, ilustrações e maquetas originais entre outros objectos ludo-documentais, encontrados no decurso da pesquisa.

O Oporto é um espaço independente situado na antiga sede do Sindicato dos Marinheiros Mercantes, em Lisboa, dirigido por Alexandre Estrela em colaboração com o atelier de design Barbara says… (António Gomes e Cláudia Castelo). Desenvolve, desde 2007, uma programação de filme e vídeo experimental única, que agora se estende a eventos de âmbito mais transversal.

Autor(es)
Ano 2012
Tipo Capítulo de Livro, Texto não publicado
Publicação O LIVR-O-MEM – Paulo d’ Cantos n’ Palma d’ Mão
Editora barbara says...
Local Lisboa
Idioma português
Link Ver Link