O desenho como dissecação do real: as formas das anatomias

“Entenda bem nisto todo o homem que chegar até aqui: o desenho, a que por outro nome chamam debuxo, nele consiste e ele é a fonte e o corpo da pintura e da escultura e da arquitectura e de todo o outro género de pintar e a raiz de todas as ciências”

Michelangelo in Francisco de Holanda, Diálogos em Roma, 1548

“…um esboço sóbrio e rápido substitui com vantagem uma longa anotação, torna mais breve e fácil o trabalho de documentação e ajuda a fixar a atenção sobre os pormenores que de outro modo passariam talvez desapercebidos. Entre os diferentes processos de reprodução conhecidos e utilizados hoje em dia, o que até agora congregou a preferência dos investigadores é, sem excepção, o desenho…”

Abel Salazar, Processo rápido de desenho microscópico, 1932

“Não é possível começar este pequeno texto sem a evocação do nome de Abel Salazar, figura incontornável aqui por várias razões: para além do facto do seu nome batizar o Instituto de Ciências Biomédicas, homenageando (não só) a sua acção como médico, Abel Salazar foi um reconhecido e profícuo artista, pintor, aguarelista, desenhador, gravador e mesmo escultor, conjugando assim numa mesma pessoa uma actividade repartida nos campos da ciência e da arte. Mas a evocação de Abel Salazar também nos permite proveitosamente sublinhar que, entre os campos distintos da ciência e da arte, o desenho se coloca de permeio, estabelecendo a ponte entre O desenho como dissecação do real: as formas das anatomias os dois universos distintos. Sendo um “desenhador compulsivo” (titulo da exposição no CCB em 2006), Abel Salazar utiliza o desenho não só na sua faceta artística mas também (e é este aspecto que aqui mais me interessa sublinhar) como um dispositivo com competências de visualizar, entender e clarificar, de que são exemplo os seus inúmeros desenhos de complexas estruturas microscópicas. O seu texto de 1932, intitulado “Processo rápido de desenho microscópico”, nada tem a ver com “habilidade” ou “talento”, mas sim com o uso eficaz de um mediador visual, à disposição de todos.(…)”

Autor(es)
Ano 2016
Tipo Texto em catálogo
Publicação Imagens do Corpo Interior - Desenho no Museu Anatómico: Partilhas e Experiências Pedagógicas
Páginas 78-79
Editora FBAUP Publicações & ICBAS
Local Porto
Ed/Org Paulo Luís Almeida, Sílvia Simões
Idioma Português
Link Ver Link