Jogar de Negras: Contribuição para a discussão do(s) Primitivismo(s) na arte em Portugal

Em finais de 1984, o Museu de Arte moderna de Nova iorque (MoMA) apresentou uma exposição sobre a relevância que o primitivismo exerceu nas artes plásticas europeias e norte-americanas ao longo do século XX, Esta ambiciosa exposição veio colmatar uma lacuna de informação que existia sobre esta temática bem como originar uma acalorada discussão sobre o primitivismo na arte que se estendeu pelos anos seguintes e se prolongou até a actualidade.

Partindo de perspectivas e metodologias contemporâneas da Antropologia da Arte, este projecto de investigação visa, por um lado, participar neste debate e, por outro lado, contribuir para a discussão desta questão no contexto português. Para o efeito, na primeira parte desta dissertação, depois de se apresentar o modo como o problema foi discutido no período posterior à exposição do MoMA, procura-se reequacionar a questão a partir de uma forma de olhar e pensar o primitivismo na arte. Na segunda parte da dissertação, analisa-se o trabalho de oito artistas plásticos portugueses que aceitaram ser entrevistados para este trabalho de investigação e cuja produção artística poderá ser pensada no âmbito desta temática.

Numa altura em que assistimos a uma crescente influência da antropologia na produção e na discussão teórica artística internacional, a opção por um projecto de investigação deste tipo visa não só aprofundamento do diálogo entre saberes provinientes de áreas tradicionalmente delimitadas (antropologia da arte, sociologia da arte, história da arte, estética, psicologia da arte) mas também a construção de novas áreas do saber a partir de relações que ligam entre si domínios que têm estado clivados por razões de ordem epistemológica e/ou ideológica.

Ano 2009
Tipo Tese
Instituição Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto
Grau Doutoramento
Orientador(es) Bernardo Pinto de Almeida e José Gabriel Pereira Bastos
Idioma Português
Área Ciências da Arte