(In)visibilidades: um estudo sobre o devir do professor-artista no ensino em artes visuais

(In)visibilidades: um estudo sobre o devir do professor-artista no ensino em artes visuais assume-se como um exercício de autoanálise à formação do duplo que resultou da minha relação entre artista e professor de artes visuais, no terceiro ciclo do ensino básico e secundário.
Uma ideia que se gerou enquanto docente de uma instituição de ensino particular e cooperativo que, no confronto com a minha visão de artista, desencadeou um conjunto de tensões ao nível da minha gestão social e política como professor de artes visuais, levando-me, pelo estabelecimento de uma relação reflexiva comigo mesmo, sobre um conjunto de experiências realizadas na minha prática letiva, a um desdobramento entre mim e uma imagem exterior a mim próprio: o professor-artista. Então, dizer como se produz este duplo e o que ele é constitui o primeiro passo no sentido da sua captura. E capturar esta imagem significa situarmo-nos no discurso e descrevermos as suas movimentações, relativamente aos campos do artista e do ensino, mas também sujeitarmo-nos àquilo que ela propõe. Ora o que aqui se está a falar é da criação de uma zona de contacto entre o estúdio do artista e a sala de aula do professor, pela ampliação da noção modernista de estúdio e pelo esbatimento da figura autoral do artista.
É neste campo expandido que me proponho pensar os espaços de cruzamento do estúdio artístico com as práticas desenvolvidas pelo professor-artista, num espaço porvir cuja potência nos leve ao desprendimento de nós próprios no ensino em artes visuais.

Autor(es)
Ano 2014
Tipo Tese
Instituição Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.
Grau Doutoramento
Orientador(es) Doutora Catarina Sofia S. Martins, I2ADS, FBAUP / Doutor José Alberto Correia, CIIE, FPCEUP
Idioma Português / Portuguese
Área Ensino das Artes Visuais / Educação Artística