«Imagem da arquitectura: ruína e fotografia»

É a arquitectura que irradia a sua própria condição de imagem. Mas o que é uma imagem da arquitectura? Em primeiro lugar, ela é uma parte, um fragmento, um resíduo ou um ponto de vista, um vestígio de um totalidade impossível de apreender. Porquê? Porque a matéria, ou melhor, a essência da arquitectura é o espaço, o movimento de um lugar que nele se gera e se afirma de novo. A imagem da arquitectura constitui-se um enquadramento possível deste movimento, que apenas intuímos e dificilmente apreendemos: porque o espaço é infinito, abre-se ao infinito, como uma janela se abre para a paisagem, para a vastidão do céu que a delimita e a confronta. A ruína e a fotografia são imagens de uma evolução do sentido do espaço e da representação que pertencem ao imaginário e à cultura visual da arquitectura. Com efeito, a concepção arquitectural, onde se mede e configura a experiência projectiva e sensível do espaço, encontra nas transformações temporais e nos processos imagéticos a sua própria intenção operativa.

Autor(es)
Ano 2012
Tipo Publicação em Actas
Publicação On the Surface. Actas do Simpósio Internacional 'Na Superfície: Imagens de Arquitectura e Espaço Público em Debate.'
Páginas 146-151
Editora Centro de Comunicação e Representação Espacial, CEAU-FAUP
Local Porto
Ed/Org Pedro Leão e Pedro Bandeira
ISBN / ISSN 978-989-97825-1-8
Idioma Português - Portuguese
Link Ver Link