Assim que Calipso aparecia sobre a luz do dia

“Uma espécie de eixo cósmico entre a terra e o céu, uma escadaria mágica entre o raso húmus e o insondável além. Talvez pudéssemos caracterizar assim a enigmática estrutura que Mariana Caló e Francisco Queimadela desenharam e que evoca subtilmente os zigurates sumérios na sua forma e porventura na sua natureza mediúnica. Este templo-gruta convida o corpo-penetrante a entrar, através de uma cavidade estreita, num ambiente cavernoso e obscuro composto por um dispositivo  circular de múltiplas projecções e uma massa sonora de feição arcaica — sons de cigarras e assobios parecem vir de longe também, provavelmente das origens. É deste modo cultual que se vai revelando Animal Vegetal Mineral, projecto vencedor do Prémio Paulo Cunha e Silva, exposto no primeiro piso da Galeria Municipal do Porto.(…)

Autor(es)
Ano 2018
Tipo Artigo electrónico
Publicação CONTEMPORÂNEA, Ed. 07 / 2018
Local Porto
Idioma Português
Link Ver Link