Desenho na Universidade Hoje – Os usos do desenho enquanto investigação, criação e pedagogia na Universidade do Porto

É geralmente aceite que a prática do desenho produz circuitos cruzados entre percepção activa, cognição e criatividade, assumindo um papel constitutivo na produção e comunicação do conhecimento. Nos últimos anos tem havido um número crescente de investigações baseadas em desenho, focadas em novas abordagens que visam integrar o desenho nos currículos do ensino universitário, enquanto meio para potenciar a literacia geral, para participar na resolução de problemas e nos processos de observação e descoberta, a par da ciência, tecnologia, engenharia e matemática (áreas STEM) (Anderson, 2017, 2014; Gansterer, 2011; Tversky, 1999). Contudo, existe ainda um conhecimento superficial sobre o impacto experiencial do desenho no contexto da Universidade Portuguesa, assente numa análise crítica que reúna as diferentes perspetivas de artistas, investigadores, professores e estudantes que usam o desenho como instrumento de pesquisa, comunicação e registo fora das áreas criativas a que está normalmente associado. Desta lacuna resulta uma incerteza relativa às abordagens que podem ser mais efectivas para metodologias baseadas na imagem nos campos da investigação e da pedagogia.

‘Desenho na Universidade Hoje’ pretende realizar um estudo crítico sobre o uso do desenho nas unidades orgânicas, laboratórios e centros de investigação da Universidade do Porto. Além do foco em arte e design, a Universidade do Porto proporciona um contexto em que o desenho na arquitectura e urbanismo, na engenharia civil e engenharia mecânica, na biologia e matemática, mas também na medicina, desporto, arqueologia, geografia e criminologia pode ser abordado num quadro de referência que reconhece em cada uma destas áreas as diferentes especificidades do desenho. Assim, ao confrontar as suas diferenças, podemos também compreender as suas dinâmicas comuns.

A investigação fundamenta-se no levantamento, arquivo e análise crítica dos modos de usar o desenho como instrumento de investigação e de pedagogia na universidade contemporânea, tendo por base a seleção feita pelos intervenientes dos Departamentos e Centros de Investigação participantes no projeto. Tem uma vocação editorial e expositiva, e uma aplicabilidade pedagógica no âmbito da oferta de formação graduada em desenho aplicada à especificidade de cada área científica. De forma integrada, procura-se fomentar uma experiência de investigação partilhada entre artistas e contextos científicos na Universidade do Porto, capaz de situar e desenvolver processos de investigação criativa, que reúnam práticas, questões, conhecimentos e objetos comuns.

Considera-se o projecto ‘Desenho na Universidade Hoje’ dividido em três partes, correspondentes às fases sequenciais do seu desenvolvimento. Estas partes estão, contudo, implicadas mutuamente nos seus propósitos e resultados.

A primeira parte consiste no levantamento e inventariação dos diferentes desenhos utilizados pelos centros da Universidade Porto, numa documentação contextual feita através de registos visuais e entrevistas gravadas com os seus praticantes. Entendemos que esta inventariação não pode desligar-se da percepção singular com que os docentes, investigadores e estudantes consideram a sua experiência de desenho, na relação com o conhecimento que produzem e os fenómenos que observam. O núcleo deste reconhecimento é constituído pela FBAUP, FAUP, FADEUP, FEUP (Mecânica e Engenharia Civil), FCUP (Biologia e Matemática), FLUP (Geografia e Arqueologia) e FDUP (Escola de Criminologia).

Uma segunda parte consiste na análise crítica destes documentos, através de publicação de artigos e catálogo de exposições, e também por intermédio de propostas de ações pedagógicas específicas que explorem as possibilidades do desenho na relação singular com as diferentes áreas do saber universitário. A exposição é assumida como estratégia reflexiva capaz de gerar métodos comparativos para tornar visíveis as categorias comuns e distintas que o desenho assume nos diversos centros.

A terceira parte consiste na colaboração entre os artistas-investigadores participantes e os contextos científicos e pedagógicos deste projecto, no sentido de realizar uma investigação prática em desenho que confronte o espaço conjectural da arte e da ciência, e aborde de forma experiencial as potencialidades especulativas destas duas formas de conhecimento. Seja recorrendo a metodologias científicas ou à epistemologia da ciência, seja porque se investigam fenómenos que não estão restringidos a uma disciplina científica específica (Ribas, 2012), quer o desenho quer a ciência partilham um interesse comum no mundo fenomenológico, ainda que sujeito a diferentes lógicas. Pretende-se com estes projetos problematizar o desenho na Universidade como uma razão prática que informa e é informada pela relação entre disciplinas.