Os gestos que se perdem: desenhar a performance

O desenho e a performance partilham entre si uma característica fundamental: ambos são processos pela qual a mente se compromete com imagens que são projecções de um corpo que actua. A importância desta relação directa e imediata entre acção, pensamento e imagem é o fundamento do espaço onde as práticas do desenho e as práticas performativas frequentemente se encontram. Deste encontro reinventam-se as formas do desenho e da performance: o desenho como proto-performance; o desenho como acção directa e o desenho como documento.
A partir de conjunto de trabalhos desenvolvidos nos três últimos anos, pretendo explorar o recurso a processos performativos como estratégias de desenho: a transferência-de-uso e o rumor calculado são os centros a partir dos quais a afinidade entre os dois campos vai ser ensaiada.

Título do Evento Encontro DOCE – Desenho, Ordem, Caos, Ensino
Título da Comunicação Os gestos que se perdem: desenhar a performance
Data 22 de Fevereiro de 2017