O desenho como desejo: O princípio do prazer como processo de trabalho

RESUMO

O desafio proposto ativou a vontade de experimentar produzir alguma reflexão teórica sobre o meu processo de trabalho.

Até à data, apenas escrevi pequenos textos, resumos, folhas de sala, acerca dos trabalhos que apresentei em algumas exposições, mas nunca com o intuito de utilizar o texto para me compreender ou descodificar. Os textos apenas servem para contextualizar o observador perante os trabalhos.

E, na verdade, só o faço porque me pedem. A tentação de não explicar por palavras o que faço enquanto artista agrada-me. Nunca quis passar para palavras o que é do domínio da imagem. Até hoje, que decidi falar sobre o meu processo de trabalho, de forma mais sistemática e menos empírica.

A condição de artista/ professora/ investigadora afeta-me de forma direta e indireta. E nesse sentido, deixo que as contaminações que ocorrem entre os meus “eu” se instalem, para que possam ampliar e produzir um conhecimento mais próximo das necessidades dos meus estudantes. Entenda-se que este trabalho parte do “eu” professora. Nesta condição de quem transmite, proporciona e avalia os conhecimento dos outros no campo de trabalho a área da Metodologia de práticas de projeto. Desta forma, aceitando o desafio de refletir sobre métodos e processos
na minha criação artística, nada melhor do que o fazer enquanto produzo um ou vários desenhos “em direto” com apresentação ao público, não com o intuito de me explicar, nem tão pouco como um ato performativo, mas apenas para demonstrar que nem todos os desenhos explicam ou se explicam. Existem outros desenhos que vivem apenas do princípio do prazer, do desejo como oposição à realidade.

Título do Evento Encontro Sweatbox: Imagens para uma Estratégia Plural do Desenho e(m) Investigação
Título da Comunicação O desenho como desejo: O princípio do prazer como processo de trabalho
Data 14 de Abril de 2016
URL Link