Sem Quartel

Exposição coletiva | Sem Quartel
Curadoria | Óscar Faria
Local | Sismógrafo, Porto
Datas | 24.04.2014 – 18.05.2014

Da nossa parte, temos de expor o velho mundo à completa luz do dia e configurar positivamente o novo.
[Marx, em carta de 1843 a Arnold Ruge]

O “Sem Quartel” trata-se de uma iniciativa colectiva com mais de sessenta participantes, que deu corpo a um programa através do qual se procurou não só resgatar memórias, mas também revelar diferentes intensidades produzidas no presente. Exposições, um ciclo de cinema, conversas e performances constituem a essência das actividades, que se desenvolveram em colaboração com outros espaços da cidade: Confederação, Círculo Católico Operário do Porto, Gato Vadio, Livraria Utopia e Rua do Sol 172.

A inauguração de “Sem Quartel/ Without Mercy” aconteceu em dias sucessivos no Sismógrafo, Livraria Utopia e Gato Vadio, revelando os trabalhos, na sua maioria inéditos, de 45 artistas de diferentes gerações. A estes acrescentaram-se cartazes e fotografias realizados durante o PREC e ainda uma mostra bibliográfica de publicações editadas entre 1974 e 1978. Um conjunto de conversas trouxe para a actualidade histórias vividas durante a revolução, sublinhando-se ainda a forma como algumas das questões dessa época continuam na ordem do dia: do direito à habitação, à necessidade de uma reflexão acerca do destino da democracia, passando ainda por um debate em torno da noção de comunidade.

O programa de “Sem Quartel”, onde o poético e o político se encontram amiúde, incluiu ainda uma sessão com vídeos realizados por artistas, encerrando com um ciclo de cinema, decorrido entre 15 e 18 de Maio, onde foram apresentadas longas-metragens, documentários e filmes-ensaio. Este programa contou com a presença quer de realizadores – Saguenail, José Tavares –, quer de outros convidados – Edições Antipáticas, Júlio Henriques, Miguel Teotónio Pereira –,que comentaram e debateram o contexto em que as obras propostas foram produzidas.”

 

 

Autor(es)