OAV – Sistema Multimodal

OAV é um sistema de performance multimodal, desenvolvivo em co-­autoria por André Rangel, Miguel Carvalhais e Pedro Tudela. Não é um sistema autónomo mas sim uma ferramenta de performance utilizada em coprocessamento com os operadores humanos. A estrutura de OAV é generativa, com ‘outputs’ variáveis do extremamente minimal ao extremamente ruidoso, progredindo desde um elevado nível de abstração e ritmo lento até   à quase figuração de cadência  acelerada.

O objecto multimodal OAV é, simultaneamente, uma performance, um processo e ‘um fluxo’. Os módulos sonoros e visuais são gerados a partir de estruturas predefinidas, mas tudo ‘acontece’ no próprio momento da apresentação, combinando harmonia e dissonância.

O objeto utiliza processos generativos em tempo real: 1) um gerador de ruído baseado em   matrizes de valores pseudo aleatórios; 2) modelos procedimentais que geram estruturas de resolução arbitrária e variação aberta; 3) incorporação e reprocessamento de ‘inputs’ do mundo  físico.
O ‘layer’ sonoro é criado a partir de processos algorítmicos e gravações de campo, parcialmente autónomos e parcialmente manipulados ao vivo. A macro-­estrutura é determinada proceduralmente mas os ‘performers’, mantêm o controle, para especificar   acontecimentos sonoros e influenciar o desenvolvimento global da performance.