Oficina Super 8

——————————————————
Oficina de Cinema no formato Super 8
Orientação: Ricardo Leite
26 de Abril a 2 de Maio 2012
, das 18 às 20 horas / FBAUP, Sala PS32 e Laboratório de Fotografia
——————————————————
55 euros para inscritos nas unneeded
70 euros para a comunidade UP/i2ADS
90 euros para o público em geral
——————————————————
Número máximo de inscrições: 10 / Número mínimo de inscrições: 8
Inscrições a partir de 10 de abril na Tesouraria da FBAUP.
Contacto: Felícia Teixeira <fteixeira@i2ads.up.pt>
——————————————————

ficha de inscrição pdf: UNNEEDED_2012_WORKSHOP_SUPER8
ficha de inscrição .doc: UNNEEDED_WORKSHOP_SUPER8

26 de Abril, das 18 às 20h / Sessão I – 2 horas

– Introdução ao formato super 8
– Especificidades técnicas, curiosidades históricas, projecção de um ou mais filmes
– A película cinematográfica reversível preto-branco, a medição da luz, o controle da câmara
– O processo de revelação, introdução à revelação manual em tanque de espiral
– O processo químico, cuidados a ter
– Conversa sobre as ideias a realizar

27 de Abril, das 18 às 20h / Sessão II – 3 horas
– Introdução ao laboratório
– Cuidados a ter com o material de laboratório
– Preparação dos químicos
– Particularidades de cada componente

28 e 29 de Abril, (horário a definir) / Sessão III e IV
Rodagem – Cada aluno poderá filmar de 1 a 2 minutos em cartucho super8. Deverão ser formados pequenos grupos, podendo utilizar-se uma ou mais câmaras mediante a ideia escolhida e resultado pretendido. Dar-se-à atenção a algumas especificidades técnicas: medição da luz, controlo do diafragma, controlo da velocidade, profundidade de campo. Haverá no entanto toda a liberdade para experimentar as possibilidades do formato, dentro do tempo disponível.

30 de Abril, das 9 às 18h / Sessão V  8 horas
– Revelação
– Particularidades da película reversível
– Particularidades do tanque de espiral, o carregamento do tanque
– Explicação de cada passo da revelação de película reversível, agitação e secagem

2 de Maio, (horário a definir) / Sessão VI
– Introdução à montagem  – A visionadora e a coladeira super8
– Corte e colagem de todos os filmes
– Projecção
– Discussão
– Telecinagem simples para vídeo digital FULL-HD – cuidados a ter

Material necessário (incluído no preço do workshop):
– Câmara super8 CANON XLS 814
– Fotómetro MINOLTA VI F
– Projector super8 BAUER T600
– Visionadora super8 BAUER
– Coladeira super8 AGFA
– Película super8 cartucho TRI-X pb reversível
– Tanque de revelação de espiral LOMO 15metros
– Química de revelação (todos os reagentes, reveladores, branqueador, aclarador e fixador serão feitos na oficina)
– Balança de laboratório de precisão KERN
– Material de laboratório (medidores, termómetro de precisão, mexedores, garrafas de fole etc.)
– Câmara vídeo digital FULL-HD SONY EX3 (telecinagem)
– Outros materiais (fita-métrica para medição de foco, tripés, material de limpeza etc.)

 

——————————————————
Ricardo Leite
——————————————————
Ricardo Leite nasceu em 1978 em Santa Bárbara d’Oeste, estado de São Paulo, no Brasil.
Estudou cinema e teatro na Escola Superior Artística do Porto entre 1998 e 2002.
Organizou e participou desde 1999 em variadas Mostras e Exposições dentro da área do Cinema, tendo participado em eventos em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Bélgica, Marrocos, Brasil e Cabo-Verde. Colaborou e trabalhou com instituições como o Cineclube do Porto, Cineclube Amazonas Douro e a Associação de Iniciativas Culturais e Artísticas, no Porto, (AICART). Foi um dos sócios fundadores do projecto Átomo47, o único laboratório de cinema independente do país, inaugurado em 2007 e tendo-se mantido em intensa actividade até 2010, lá desenvolveu variados projectos, de vários realizadores e fotógrafos, em super8 e 16mm, contando-se os filmes de Rodrigo Areias (Corrente) e diversos filmes do projecto Femina do músico Legendary Tigerman e vários filmes de Edgar Pêra, entre outros. Neste momento Ricardo Leite encontra-se a finalizar um filme experimental de curta-metragem em Super16mm – “A Vinha”de produção independente. Tendo trabalhado maioritariamente no género experimental, em cinema analógico, voltou ao género documental com o recém finalizado longa-metragem “Mazagão, a água que volta”, subsidiado pelo ICA e RTP, estando neste momento a fazer o circuito de Festivais de Cinema nacionais e internacionais. Actualmente colabora com a Fundação de Serralves, e é director de fotografia de seus projectos articulados em película (maioritariamente 16mm). Presentemente está a construir um novo laboratório de cinema independente, de estrutura associativa e é monitor de estágio de alunos em projecto Erasmus da “Ecole Superieure des Beaux Artes Angers Le Mans” em Tours, França.