“O TEMPO e os seus MODOS” | Memória |

CICLO DE DEBATES “O TEMPO E OS SEUS MODOS”

Sábado, dia 4 de Outubro de 2014, às 15h00, Auditório 1 da FPCEUP, realiza-se a sessão sobre Memória |entrada livre|

Memória individual, memória colectiva… formas de constituição da subjetividade individual e partilhada, matérias subtis e sensíveis…Memória, testemunho/a, verdade, mnemónica, técnica e memória, perda, luto, nostalgia, melancolia… e, de novo, formas de pensar o tempo. 

 

Moderadores: Álvaro Campelo  (Univ. F. Pessoa), Fernando José Pereira (FBAUP), Gonçalo Velho (IPT-Tomar), Joaquim Luís Coimbra (FPCEUP), Maria José Barbosa (doutoranda em Filosofia – U. S. C., Espanha), Stella Azevedo (doutoranda em Filosofia -FLUP).

———– 


A Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia (Porto) e o i2ADS- Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (FBAUP) realizam no Porto, com colaboração da FPCEUP, no auditório da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (metro: Pólo Universitário; parque de estacionamento), nos sábados de 27 de Setembro, 4, 11, e 26 de Outubro, 15 e 22 de Novembro, e 13 de Dezembro, um ciclo de 7 debates abertos a todos os interessados, com entrada livre, e começo sempre às 15 horas, sob o tema geral O TEMPO E OS SEUS MODOS. Obviamente não há “um tempo”, mas “modos do tempo”, ou, se quisermos, múltiplos tempos, múltiplas temporalidades. Neste ciclo estarão em foco sobretudo os modos do tempo tal como pode ser vivenciado por um ser humano, e estudado pelas ciências sociais e humanas. Parece-nos ser crucial parar para pensar num momento da história mundial em que a realidade (sobretudo criada, hoje, pelos média) nos induz a actuar, a actuar talvez precipitadamente, atitude de que em geral parece não resultar nada de positivo.


Co-coordenado por Vítor Oliveira Jorge (FLUP- aposentado; CEAACP) e Catarina Martins (FBAUP; i2ADS), o ciclo tem em cada uma das suas sessões, moderadores que introduzem brevemente o tema do seu ponto de vista, procurando-se depois que o debate ocorra, com  total respeito pelas diferenças de posição, mas uma posição que se pretende sustentada por um mínimo de estudo prévio, evitando o carácter “opinativo” que às vezes têm certos debates, tornando-se inócuos.