Lançamento do livro RDIT

Em 2018 a Universidade do Porto criou um programa de alargamento da oferta formativa pós-graduada, envolvendo a criação de Unidades Curriculares (UC) lançadas na promoção da edificação de saberes e competências transversais, pelo debate plural sobre temas enquadráveis além dos perfis disciplinares – as chamadas Unidades Curriculares InovPed. A este programa candidatam-se, anualmente, grupos de docentes de diferentes faculdades, mas com propostas comuns. A experiência educativa que na altura candidatámos – a Unidade Curricular InovPed “Representações, Desenhos e Imagens do Território” – mereceu a aposta da U.Porto. É uma UC que surgiu de convergências encontradas entre os Departamentos de Desenho, Geografia e Engenharia Civil da universidade. Nasceu de um encontro entre vontades de estudo sobre o território, suas representações e suas imagens, a partir do Desenho, como o saber central escolhido do campo comum à Arte, à Ciência e à Técnica. Nessa esteira, o Desenho é entendido como saber partilhado, não como saber exclusivo das Belas Artes. O Desenho é o construtor de imagens reveladoras das mais variadas representações sobre os territórios e, assim, de identidades.

O território é uma entidade vital, comum, partilhada; o espaço relacional e dinâmico onde se debatem diferentes dimensões da vida humana, a várias escalas e ao longo do tempo. Cremos o território como entidade plural e inclusiva. Estes valores humanistas acentuam o caráter culturalista das abordagens, valorizando o perfil interdisciplinar da UC. Ambiciona-se com esta unidade promover, em ambiente laboratorial/oficinal, a consciência de que quanto mais e melhor conhecermos as representações – e suas expressões – que cada um constrói sobre o território, melhor estaremos aptos a viver em comum e em respeito.

A colaborar para estes questionamentos e estas descobertas, temos em cada edição da UC o precioso contributo de cinco especialistas de diferentes áreas do conhecimento. Os cinco convidados proferem cinco conferências abertas à comunidade, nas quais partilham as representações que, desde as suas áreas, existem sobre o território, falando sobre imagens andaimadas pelo Desenho.

Neste livro, trazemos as conferências da primeira edição da UC, realizadas em 2019.

Assim, com Matthew Rangel começámos por apreender o trilho poético de um artista-caminheiro na sua corporização do território. Esse foi um caminho apontado pelo sulco que na sua memória ficou da experiência de corporização do território, tida pelos agricultores do Vale de S. José da Califórnia, durante a transformação que operaram nesse mesmo território.

Num segundo momento, com Inmaculada López Vílchez, explorámos o percurso dos procedimentos, técnicas e modelos de registo gráfico do território, desde um tempo mais empírico, muitas vezes carregado de simbolismos e de outras determinantes bem impositivas, até um tempo decorrente de uma crescente acuidade abstrata e científica.

O texto referente à terceira conferência aberta, de Jorge Gaspar, mostra como as práticas de desenho e construção do, e no, território articulam, inevitavelmente, diferentes, mas interdependentes saberes. E, embora o tivéssemos visto a partir da Geografia, a mais eclética convocatória de autores de referência, das mais diversas áreas do saber, foi propósito para ilustrar cabalmente o que procurava mostrar.

Um possível quadro acerca do entendimento que sobre o território tem quem governa e, de facto, quem decide, moldando-o, foi-nos trazido por um académico que pôde ter experiência governativa nas políticas de ordenamento do território: João Ferrão. Por outro lado, sabendo-se que no momento das decisões políticas estarão presentes as representações dos governantes sobre o território, importou ao nosso convidado explorar os meios a que os especialistas podem aceder para melhor colaborar no processo conducente às tomadas de decisão.

Por fim, como bem escreveu o nosso convidado Virgílio Lopes, no título da sua conferência aberta, conheceremos do “contributo da Arqueologia”. Olharemos para a participação do Desenho de Arqueologia, em geral, e nas principais escavações no âmbito do Campo Arqueológico de Mértola, em particular. Vimos como ambos podem alicerçar entendimentos sobre a História dos territórios.

No final do livro deixámos a debate os trabalhos executados por estudantes – o melhor testemunho dos problemas que se nos colocam. Pretende-se discutir o investimento que passa pela ação educativa e investigativa sobre o território, focadas na reunião de saberes, uma ação que ilumine sentidos transversais no conhecimento.

Para uma próxima edição em livro que continue este caminho temos já os contributos da Engenharia, Biologia, Filosofia, Urbanismo e do Turismo.

 

Esta publicação enquadra-se no âmbito do projeto de investigação em Desenho, “DRAWinU – DRAWING ACROSS UNIVERSITY BORDERS – Learning, Researching and Communicating through Drawing in the University” [PTDC/ART-OUT/3560/2021].

(Adaptado do editorial)

Local Faculdade de Belas Artes
Data 20 de Dezembro de 2021