IMAGENS DO REAL IMAGINADO, UTOPIA (4 a 9 de Novembro 2013)

Quando há 10 anos fizemos a 1ª edição do IRI (Imagens do Real Imaginado – Ciclo de Fotografia e Cinema Documental) tínhamos em vista três objectivos: reforçar a ligação da escola à comunidade, promover a internacionalização e criar uma plataforma capaz de apoiar e promover a massa crítica indispensável ao aparecimento de novos cursos, nomeadamente um Mestrado em Comunicação Audiovisual. Todos esses objectivos foram cumpridos. E, todavia, não foram. Disse Eduardo Galeano da utopia: “Me acerco dos pasos, ella se aleja dos pasos. Camino diez pasos y el horizonte se corre diez pasos más allá. Por mucho que yo camine, nunca la alcanzaré. Para que sirve la utopia? Para eso sirve: para caminar.”

Por isso, caminhamos. O IRI é um fórum de reflexão – portanto, de revelação – que assume o real como ponto de partida para interpelar as imagens do Cinema e da Fotografia, mas também das Artes digitais. Perfila-se, por isso, como uma ferramenta para anotar, actualizar, descodificar e recriar os sinais do tempo, muitas vezes recuperando a memória de outros caminhos, outras vezes ousando caminhos novos, atento, sempre, à centralidade e à semântica variável da imagem num mundo que precisa de ser lido: imaginado.

Assim sendo, a utopia do IRI sempre contou com os artistas e com os agentes culturais. Na passagem destes 10 anos, o mestre de todos nós, Manoel de Oliveira, surge como incontornável figura de referência. Dele falará Mário Cláudio, outro mestre, das Letras. Daremos ainda conta de outras utopias (e distopias) do nosso tempo, como as reportadas nos filmes de Christian Rouaud. E daquelas que animam o Curtas de Vila do Conde, o Cinanima e o Cineclube do Porto. E de todas as outras que dão sentido à aventura de quantos participam nesta iniciativa e cuja presença nos honra.

Obviamente, muito agradecemos aos nossos parceiros de sempre, a Alliance Française, o Goethe Institute, as Universidades de Derby (UK), Newport (Wales) e Santiago de Compostela, o Instituto de Cinema e Audiovisual (ICA) e a Câmara Municipal do Porto, sem os quais o IRI não seria possível.

Recupero Galeano: “Somos lo que hacemos, y sobre todo lo que hacemos para cambiar lo que somos.”

Jorge Campos

Na semana de 4 a 9 de Novembro irá ser lançada a publicação de vários autores ‘Imagens do Real Imaginado 10 anos’ (2013).