conferência DAD: Professor José Gabriel Pereira Bastos – 03 de Abril

Conferência DAD

Freud e a Análise das produções Culturais e Artísticas
Professor José Gabriel Pereira Bastos

3 de Abril, 18h00
Aula Magna da FBAUP

FREUD E A ANÁLISE DAS PRODUÇÕES CULTURAIS E ARTÍSTICAS

Como é hoje reconhecido, Freud transferiu o primado ‘materialista’ da neurologia localizacionista dos seus mestres para uma abordagem funcionalista (Freud, 1891, 1895, 1900), mais complexa e indeterminística, capaz de analisar numa postura epistemológica integrativa a articulação bidireccional da organização da mente com a organização do mundo (Bastos 1994). Desta articulação nascem não só capacidades cognitivas mas, sobretudo, a construção da realidade psíquica, a fuga da realidade social traumática, o desejo de não-saber, a fantasia e a criatividade.

Com Freud, a neurologia abandonou o reducionismo e articulou-se com a formação das relações de objecto, com os dialectos poéticos do inconsciente, com a organização familiar e política, com a formação do carácter e com a formação de sintomas, com a análise da diversidade de produções culturais da humanidade, ‘primitiva’ ou ‘civilizada’ e com a análise do sofrimento socialmente provocado e do Mal-estar na Civilização.

Pela primeira vez, o real era visto como um sistema de diferenciações tensionais e como um sistema de transformações introduzido na natureza pelo ‘animal insatisfeito’, o qual, da forma estrutural-dinâmica que lhe é própria, na busca das origens, se afasta cada vez mais dessas origens, numa deriva de complexidade crescente desregulada ou auto-regulada por princípios que desconhecemos.

Adquirida a bipedia, a linguagem, a angústia, a vinculação amorosa genitalizada, a religião, a política e as artes, o retorno à fusionalidade primária torna-se impossível. Com a proximidade excessiva, a incomunicabilidade aumenta e, com ela, o fortalecimento egóico narcísico, os processos identitários, a criação de fronteiras a transgredir, o sofrimento de origem social, a expressão indirecta, a projecção cultural delirante, a criação artística e literária, e a comunicação de inconsciente a inconsciente criam novas complexidades especificamente humanas, isto é, dramáticas e problemáticas.

////

José Gabriel Pereira Bastos

NOTA CURRICULAR
José Gabriel Pereira Bastos, psicólogo social, antropólogo e psicanalista (APPPA), especialista em Teoria Freudiana, Antropologia dos Processos Identitários, Análise das Produções Culturais e Antropologia do Simbólico. Leccionou no ISPA, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Departamento de Literatura) e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL (Estudos Portugueses, História de Arte e Antropologia). Co-fundador do CEMME e do CRIA, investigador sénior no IMISCOE (Amsterdam), no CRIA e no I2ADS/FBAUP. Visiting schollar nas Universidades de Sassari e de Califórnia, Berkeley. Conferências internacionais em Inglaterra, Bélgica, Holanda, Suécia, Finlândia, Hungria, Espanha, Itália, Índia, Califórnia (Berkeley, UCLA, San Jose) e Rio de Janeiro. Artigos publicados em Espanha, França, Inglaterra, Holanda, Hungria, bem como Bélgica e Brasil (ambos no prelo). Autor, co-autor ou co-organizador de 14 livros (Lisboa, Londres e Amesterdão). Organizador e prefaciador de Freud – Textos essenciais de Literatura, Arte e Psicanálise.