(DES)LOCAÇÕES: exílio, topologia, deslocalização – i2ADS

(DES)LOCAÇÕES: exílio, topologia, deslocalização

Edição bilingue que apresenta os trabalhos de projecto final dos mestrandos em Arte e Design para o Espaço Público e textos de Gabriela Vaz-Pinheiro, Godofredo Nobre, Jeremy Hunt and Jonathan Vickery, José Guilherme Abreu, Laura Castro, Michael Asbury, Miguel Leal, Pedro Gadanho, Susana Caló e Jimenez Lai. Este é o segundo livro produzido no âmbito do Projecto Transformations, Mestrado em Arte e Design para o Espaço Público, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. A questão central do livro gira em torno da noção de deslocação que serviu de mote a uma série de projectos de estudantes, mas que foi também o desafio colocado a um grupo de pensadores e críticos que prontamente responderam com os contributos desta publicação. O conjunto de textos dos autores convidados apresenta a noção de deslocação em várias e críticas formas. Laura Castro aproveitou a oportunidade para falar da ideia de deslocação referindo-se aos processos em que esta noção pode ser tomada para processar códigos que organizam e fazem a paisagem evoluir. Michael Asbury reflecte sobre uma instalação de António Manuel, um artista brasileiro que usou o espaço de exposição como uma espécie de superfície tridimensional em que noções de identidade colonial se confrontam com uma espécie de comentário corpóreo sobre a ocupação da arquitectura. Miguel Leal leva a noção de mediação, como condição para os modos contemporâneos da experiência, às suas consequências em termos da percepção e construção de uma ideia de paisagem. A partir de uma breve história da relação de Guattari com a clínica La Borde, Susana Caló demonstra a deslocação da noção do subjectivo, assim tomado nu sentido polifónico, até a um território “além humano”, pondo este processo em paralelo com uma abordagem à noção do colectivo. Usando a exposição Metaflux na IX Bienal de Arquitectura de Veneza, Pedro Gadanho aplica a ideia de deslocação à pertinência discursiva da prática curatorial em arquitectura, que poderia relocalizar a disciplina para uma posição menos petrificada no mundo contemporâneo. O contributo de Gabriela Vaz-Pinheiro para esta publicação, inicialmente produzido para ser apresentado online, sofre ele mesmo uma deslocação para a página impressa. Este texto pretende desenvolver a noção de site-specificity, actualizando o pensamento de Krauss incorporando um novo modo de fluidez que não é estranho à experiência contemporânea. Godofredo Nobre problematiza questões de visibilidade e pode activadas no espaço público tanto por monumentos que representam o poder instituído como por intrusivos gestos de graffiti. Jeremy Hunt e Jonathan Vickery apresentam várias possibilidades para se considerar a arte pública hoje, alertando para os perigos do uso da arte em espaços públicos como uma forma de promover perfis de negócio. José Guilherme Abreu, historiador de arte, propõe uma série de modelos de abordagem a diferentes modos de colocar arte em público. Finalmente, Jimenez Lai desenha uma visão sobre a condição humana para além do urbano, propondo uma reflexão sobre modos de construir e residir, de habitar e de estar em movimento. O livro é ilustrado em cores e preto e branco, e bilingue, em Português e Inglês.

Autores:
Laura Castro, Michael Asbury, Pedro Gadanho, Susana Caló, Miguel Leal, Godofredo Nobre, Jeremy Hunt, Jonathan Vickery, José Guilherme Abreu, Jimenez Lai.

Projetos:
Bárbara Leite, Maria João Tavares, Filipe Garcia, Meireles de Pinho, Inês Alves, Carolina Anselmo, Marta Rocha, Ivo Teixeira, Miguel Costa, Filomena Nascimento, Rita Rainho.

Autor(es)
(Ed / Org)
Editora i2ADS | FBAUP
Local Porto
Ano 2011
Idioma Português, English